Fotografar pessoas é ser presenteado por Deus. Pois nos permite conhecer pessoas que jamais imaginaríamos conhecer e mais do que isso, elas normalmente estão vivendo um momento tão especial na vida delas e trazem isso para também te preencher. Eles te convidam a tornar aquele instante lembrado por toda a vida. Foi um presente não apenas para mim mas para todos os meus mais novos amigos que fiz no Descobrir-se. Conhecemos e desfrutamos um pouquinho do amor desse casal, Keila e Arone rs… Em meio a nossa seção de fotos, enquanto eu me afastei e deixei eles namorado em cima da árvore vi todo o charme daquela menina faceira que com certeza sabia transmitir a esse moço de cabelos longos o quanto é firme e forte o seu coração. Foi ai que bateu forte a lembrança de uma música que conhecia na minha infância e vi ali diante dos meus olhos toda a atmosfera familiar e doce que essa canção representava para mim. Minha sorte é que ela conhecia a música, se identificava tanto quanto eu e cantou partes que eu havia esquecido. Foi um prazer imenso cantar essa música para vocês, me emocionar com vocês, ter esse contato na mata com vocês e por isso hoje canto mais uma vez… que esse amor que vocês vivem inspirem outros tanto quanto eu.

“O que fizeste, sultão, de minha alegre menina?

Palácio real lhe dei, um trono de pedraria
Sapato bordado a ouro, esmeraldas e rubis
Ametista para os dedos, vestidos de diamantes
Escravas para serví-la, um lugar no meu dossel
E a chamei de rainha, e a chamei de rainha

O que fizeste, sultão, de minha alegre menina?
Só desejava campina, colher as flores do mato
Só desejava um espelho de vidro prá se mirar
Só desejava do sol calor para bem viver
Só desejava o luar de prata prá repousar
Só desejava o amor dos homens prá bem amar
Só desejava o amor dos homens prá bem amar

No baile real levei a tua alegre menina
Vestida de realeza, com princesas conversou
Com doutores praticou, dançou a dança faceira
Bebeu o vinho mais caro, mordeu fruta estrangeira
Entrou nos braços do rei, rainha mais verdadeira
Entrou nos braços do rei, rainha a mais verdadeira”.

Letra e composição de Dorival Caymmi e Jorge Amado
Na doce voz de Djavan